Carrinho de compras
Seu carrinho está vazio

Atendimento

0

Frete Grátis

Em todos os pedidos acima de R$ 149,00

Pague com cartão

Em até 6x s/ juros

Programa de fidelidade

Ganhe pontos para suas próximas compras

Segurança

Loja protegida

Atualizando informações ...

Combo Educação Católica (3 Livros)


Por:
R$ 117,15
Não disponível

Enviar
Avise-me quando estiver disponível
Descrição Geral

Este combo contém:

- 01 un. O Verme Roedor das Sociedades Modernas - Monsenhor J. Gaume

- 01 un. Encíclica Divini Illius Magistri: Sobre a Educação Cristã - Pio XI

- 01 un. A Escola sem Deus - Monsenhor de Ségur

 


 

A Escola sem Deus - Monsenhor de Ségur

Louis Gaston Adrien de Ségur, sacerdote e escritor francês, nascido e falecido em Paris (15/04/1820 – 9/06/1881). Descendente de uma família nobre, era filho do marquês Eugène de Ségur e da célebre condessa de Ségur, conhecida escritora de livros infantis. Zeloso nos estudos, logo que se formou em Direito foi enviado como adido à Embaixada Francesa em Roma, junto à Santa Sé. Ao retornar a Paris, ingressou no Seminário de Santo Sulpício, sendo ordenado sacerdote em dezembro de 1847. Dedicou-se principalmente à evangelização das crianças e dos pobres, assim como dos soldados prisioneiros de guerra. Foi muito estimado pelo Papa Pio IX, por muitas autoridades eclesiásticas e diplomáticas, e até mesmo por Napoleão III.

Em 1856, Mons. de Ségur teve um grave problema na visão que o levou à cegueira e o obrigou a renunciar às suas funções. Chegou a ser nomeado bispo, mas não recebeu a ordenação episcopal, impedido por sua condição. Com a cegueira, passou a ditar livros explicando - e defendendo com fervor - a doutrina católica em linguagem popular. Escreveu mais de 70 livros, e até o momento de sua morte, em 1881, suas obras somavam mais de 700 mil cópias vendidas apenas na França e na Bélgica, sem contar as edições em italiano, espanhol, alemão, inglês e até mesmo na língua hindu.

O livro A escola sem Deus foi escrito em 1872. Nessa obra, Mons. de Ségur fala da importância da educação católica, defendendo que o ensino deve ser cristão, e não laico. Ou seja, as escolas, principalmente no nível de instrução básica, necessariamente precisam ser católicas, considerando que, entre outros fatores, as crianças passam grande parte de suas vidas dentro das escolas, e assim os professores teriam que auxiliar os pais e os sacerdotes na formação cristã das crianças. Entre outras coisas, diz Mons. de Ségur: “... Na prática, não tratar da religião na escola é tornar impossível a instrução religiosa das crianças!”

 

Autor: Monsenhor de Ségur

Editora: Santa Cruz

Número de Páginas: 102

Ano de Lançamento: 2022

ISBN-13: 9786587994482

Edição: 1ª

Encadernação: Brochura

Dimensões: 12,5 x 18,5 cm

 


 

Encíclica Divini Illius Magistri: Sobre a Educação Cristã - Pio XI

A encíclica trata da educação cristã da juventude, e foi escrita em resposta ao surgimento (principalmente no século 19 e início do século 20) das “novas teorias pedagógicas”, que erroneamente propunham métodos e meios, não só para facilitar, mas também para criar uma nova educação de “infalível eficácia”, que pudesse preparar as novas gerações para a suspirada felicidade terrena. Diante desse cenário, o Papa propôs os seguintes questionamentos:

- Qual o papel da família, da Igreja e do Estado na educação?

- O que pensar da educação pública gratuita, das escolas mistas, da educação sexual?

- Os católicos ainda são obrigados a mandarem seus filhos estudarem em escola católicas?

- É lícito ter professores não católicos nas escolas católicas?

- Os pais devem proteger os filhos dos meios de comunicação de massa?

Estas questões foram respondidas por Pio XI neste documento que define um programa completo de recristianização da sociedade, defendendo as prerrogativas da família e a supremacia da Igreja contra um Estado laico, que cada vez mais busca arrancar os jovens das famílias para educá-los na ideologia revolucionária. Apesar de ter sido publicada em 1929, as falsas doutrinas educacionais de então pouco mudaram, fazendo desta encíclica um antídoto seguro, eficaz e atual contra os erros do nosso tempo.

 

Autor: Papa Pio XI

Editora: Santa Cruz

Número de Páginas: 69

Ano de Lançamento: 2022

ISBN-13: 9786587994468

Edição: 1ª

Encadernação: Brochura

Dimensões: 12,5 x 18,5 cm

 


 

O Verme Roedor das Sociedades Modernas - Monsenhor J. Gaume

Jean-Joseph Gaume foi um sacerdote e escritor francês, nascido na cidade de Fuans (Borgonha) em  maio de 1802, e falecido em novembro de 1879. Foi professor de teologia, diretor do seminário menor e vigário geral da diocese de Nevers (nessa mesma região da Borgonha). O Papa Gregório XVI fez dele cavaleiro da Ordem de São Silvestre, e Pio IX o nomeou, em 1854, protonotário apostólico (título dado a um membro do mais alto colégio não episcopal de prelados da Cúria Romana ou, fora de Roma, um prelado honorário a quem o papa conferiu esse título e seus privilégios especiais). Monsenhor Gaume escreveu numerosos livros tratando de teologia, história e educação. Várias de suas obras deram origem a um debate sobre o ensino dos clássicos nas escolas. O livro “O Verme Roedor...” foi escrito em 1851, sendo que esta edição agora lançada pela Santa Cruz baseia-se na versão publicada em Portugal, em 1886.

Nesta obra, o autor faz uma defesa contundente da necessidade de se restringir o ensino da literatura clássica pagã nas escolas (em voga desde a chamada “Renascença”), e em seu lugar retomar a supremacia do ensinamento cristão. Depois de ter demonstrado que a formação intelectual da juventude durante os primeiros séculos da Igreja, e em toda a Idade Média, foi realizada através do estudo de autores cristãos, Mons. Gaume prossegue para provar que a Renascença do século XVI perverteu a educação em toda a Europa pela substituição de autores cristãos por escritores pagãos.

Em apoio à sua tese, ele apresenta o testemunho dos homens e dos fatos, indicando a influência do paganismo clássico na literatura, na fala, nas artes, na filosofia, na religião, na família e na sociedade. O autor não chega a ir tão longe a ponto de proibir totalmente os textos pagãos, que poderiam ser apresentados aos alunos nos graus mais elevados, mas que deveriam ser banidos nos graus correspondentes ao ensino básico (junto às crianças).

 

Autor: Monsenhor J. Gaume

Editora: Santa Cruz

Número de Páginas: 309

Ano de Lançamento: 2022

ISBN-13: 9786587994475

Edição: 1ª

Encadernação: Capa Dura

Dimensões: 12,5 x 18,5 cm

Avaliações